A qualidade de um laboratório começa com um bom projeto físico-funcional

A qualidade de um laboratório começa com um bom projeto físico-funcional

A qualidade de um laboratório começa com um bom projeto físico-funcional

O profissional de arquitetura/engenharia possui papel fundamental na elaboração dos projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde (EAS)*.

Independentemente do espaço ou estabelecimento construído, cabe ao arquiteto ou engenheiro, mediante uma metodologia de anamnese, análise, interpretação, diagnose e prognose, elaborar um programa adequado à finalidade, considerando-se fluxogramas operacionais e aspectos biossecuritários, dentre outros.

Um correto projeto físico influencia de tal forma a qualidade dos processos/atividades desenvolvidos em EAS, que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA criou a RDC nº 50/02. Em continuação ao que já vinha sendo proposto pela Portaria MS nº 1884/94, a RDC estabelece critérios básicos para os projetos arquitetônicos desses estabelecimentos.

Entrevistamos a Dra. Marguerita Abdalla, arquiteta do Centro de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro – que abordou as normas a serem seguidas na construção ou reforma de EAS – e os arquitetos Carlos Eduardo Spencer e José Humberto Bertarelli, profissionais especialistas na prestação desse tipo de serviço.
(*) EAS é a denominação dada a qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, que demande o acesso de pacientes, em regime de internação ou não, independente de seu nível de complexidade.

A construção ou reforma de um laboratório inicia com a adoção de normas estabelecidas por órgãos federais e regionais, que, dentre outros pontos, determinam a necessidade de um projeto executivo arquitetônico. Atualmente, é a RDC nº 50/02 que dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos de saúde no Sistema Nacional de Vigilância Sanitária.

De acordo com a arquiteta Marguerita Abdalla, a programação físico-funcional de um EAS, conforme a RDC nº 50/02, baseia-se em conjuntos de atividades específicas, que correspondem a uma descrição resumida da organização técnica do trabalho na assistência à saúde. “No caso de laboratório, após levantamento das atribuições e atividades, o profissional de arquitetura deve entender os processos desenvolvidos, os riscos associados às condutas técnicas e a finalidade de cada ambiente definido na legislação; levantar os tipos de exames, os equipamentos, as instalações, os níveis de biossegurança determinados no capítulo de controle de infecção hospitalar, formas de segregação, acondicionamento e descarte dos resíduos sólidos, dentre outros”, explica.

Mas as dificuldades dos laboratórios na adequação da infraestrutura física, de acordo com a Dra. Marguerita, começam com a escolha inadequada do local para sua instalação. “Aluga-se um imóvel para depois pensar no programa de necessidades, quando, na verdade, deve ser o contrário”, declara.

A Vigilância Sanitária trabalha com dois tipos de processos: LICENÇA INICIAL, quando o estabelecimento já está instalado; e VISTO EM PLANTA, quando se deseja construir, reformar ou modificar o projeto. “É de suma importância solicitar o visto em planta antes de qualquer alteração na planta física. A avaliação de um EAS deve ser feita por uma equipe multiprofissional e o parecer técnico emitido por um profissional do sistema CREA/CONFEA. Ou seja, a avaliação de projeto na VISA é feita em parceria com os profissionais do setor de laboratório e em cima da minimização dos riscos anteriormente mencionados”, comenta.

Elaborando o projeto físico de um laboratório clínico

O arquiteto Carlos Eduardo Spencer explica que o projeto arquitetônico de um laboratório deve detalhar e compatibilizar todas as interfaces do sistema: instalações prediais ordinárias e especiais (hidro-sanitárias, elétrica e eletrônica, aterramento, fluido-mecânicas e climatização), sistema estrutural empregado e níveis de biossegurança. “É preciso, por exemplo, ficar atento a fluxo de insumos, de forma a evitar contaminação cruzada, e a fatores como circulação, conforto e proteção dos funcionários, distribuição coerente, setorização espacial e proteção do meio ambiente”, comenta Spencer, que dá outras dicas valiosas.

– Regulamentação: um projeto deve atender às exigências e normas da Vigilância Sanitária, do Ministério do Trabalho, do Código de Obras da cidade, do Corpo de Bombeiros e de concessionárias públicas.
– Instalações elétricas: devem ser sempre checadas, definindo-se um bom sistema de aterramento. A maioria dos incêndios é proveniente da parte elétrica.
– Superfícies de trabalho: devem ser impermeáveis, resistentes a lavagem, desinfecção, ácidos, solventes e álcais. São recomendadas bancadas em aço inox e pias inseridas (de embutir ou de sobrepor) e nunca acopladas, com profundidades de acordo às suas finalidades.
– Piso, parede e teto: utilizar materiais impermeáveis, resistentes a limpeza e desinfecção rotineiras, e que exijam baixa manutenção. Não podem ter ranhuras ou frestas, texturas, reentrâncias, cantos arredondados e imperfeições. Superfícies monolíticas com tonalidades claras são ideais. Atenção para o uso de rodapés: o encontro com piso e a parede deve ser alinhado para evitar arremates imperfeitos e acúmulo de sujeira. Base de resina epóxi, aglomerado tipo Korodur polido e de poliuretanos monolíticos polidos são boas opções para piso.
– Portas: devem possuir acabamento lavável, resistente, sem alisar, fechar automaticamente e possuir visor. Nos ambientes com níveis de biossegurança 3 e 4, atenção especial para os dispositivos e acabamentos de vedação. Os vãos livres das portas devem possibilitar a passagem de equipamentos.
– Mobiliário de suporte e equipamentos e trabalho: devem possuir o mínimo de reentrâncias e detalhes que dificultem sua limpeza, higienização e manutenção. Não devem ser utilizados materiais orgânicos, assim como qualquer outro que retenha umidade.
– Iluminação: utilizar luminárias embutidas, com fechamentos em vidro ou acrílico, evitando grelhas e aramados (que acumulam sujeira e dificultam a limpeza). Conforme o caso, o ideal é utilizar lâmpadas com 100% de reprodução das cores iluminadas.
– Áreas de circulação: a distribuição das instalações deve facilitar o acesso da manutenção sem implicar paradas desnecessárias de trabalho.
– Instalações hidráulicas: nas tubulações de água, o uso de registros facilita a manutenção.
– Área dividida em pavimentos: o ideal é utilizar monta-cargas para os produtos, evitando o transporte pelas escadas e a circulação pelo laboratório. O monta-carga deve abrir para recintos fechados, com antecâmaras.
O arquiteto José Humberto Bertarelli sugere a utilização de um fluxograma que testou recentemente na ampliação de um laboratório no Rio de Janeiro (ver quadro ao lado). Segundo ele, todo o projeto deve ser conduzido para a obtenção de ganhos de qualidade nas condições de trabalho e melhoria na imagem do laboratório. “É um processo de ida e volta entre os aspectos técnicos específicos e conceitos arquitetônicos, onde se articulam volumes, vazios, transparências e iluminação, texturas e cores, resultando num projeto apropriado e espacialmente agradável, de baixo custo e pouco tempo de obra”, comenta.

Algumas Legislações: 

– Resolução RDC nº 50/2002
– Portarias estaduais e municipais
– ABNT NBR 14712 – Elevadores
– ABNT NBR 7192 – Instalação de monta-cargas
– ABNT NBR 13700 – Áreas limpas
– ABNT NBR 9050 – Acessibilidade
– ABNT NBR 5410 – Instalações de segurança
– ABNT NBR 8160 – Sistemas prediais de esgoto sanitário
– ABNT NBR 14432 – Resistência ao fogo de elementos construtivos

Recentemente, a Controllab tornou-se membro da WASPaLM – World Association of Societies of Pathology and Laboratory Medicine. Ao tornar-se “Corporate Sponsor”, a empresa vem participando ativamente da comunidade científica mundial e buscando sempre novas formas de aprimorar suas atividades.

Fundada em setembro de 1947 em Paris, após a Segunda Guerra Mundial, a WASPaLM, que hoje mantém sua sede em Tóquio, é composta por 24 Sociedades, Colégios ou Associações de 17 países. Sua missão é definir padrões internacionais de qualidade, incentivo a troca de informações e conhecimento entre patologistas e laboratórios, formando redes mundiais de cooperação. A cada dois anos, realiza o Congresso Mundial de Patologia e Medicina Laboratorial, e o 23º será em Istambul, na Turquia, entre os dias 26 a 30 de maio de 2005.

Como membro da WASPaLM, a Controllab manterá seu desafio de buscar novos caminhos e ampliar conhecimento científico para oferecer melhores soluções para seus clientes.

Outras associações da Controllab:
AACC – American Association of Clinical Chemistry (“Full Member”)
NCCLS – National Commite for Clinical Laboratory Standards (“Active Member”)

Em junho deste ano, a Controllab disponibilizou uma novidade online para os participantes do PELM: o Relatório Gerencial.

Este novo relatório expõe, numa perspectiva gerencial, o nível de performance geral do participante, apontando os ensaios com desempenho inferior ao definido pela ANVISA. Isto permite que o gestor identifique, rapidamente, os pontos em que necessita atuar para obter a confiabilidade de seus laudos.

Os índices gerados (percentual de ensaios adequados) podem ser usados ainda para atender aos requisitos da qualidade, em especial à ISO 9000, com relação a monitoramento e medição, para assegurar a conformidade do sistema da qualidade e promover a melhoria contínua.

Por que o controle individual para uso diário é melhor?

Na edição nº 3 do Qualifique, publicamos uma reportagem sobre as Regras Múltiplas de Westgard – padrão mundial para controle interno. Esta matéria levantou uma dúvida: qual a realidade dos laboratórios brasileiros? Para respondê-la, a Controllab realizou uma pesquisa, e obteve retorno de 484 clientes de diferentes regiões do Brasil.

A primeira questão a ser levantada foi sobre a melhor apresentação de controle: embalagem única para aliquotagem ou frascos individuais para uso diário? O controle para uso diário foi escolhido por 93% dos laboratórios, por ser mais estável, com destaque para redução do risco de propagação de contaminação, erro de reconstituição ou problemas de armazenagem.

Cerca de ¼ dos laboratórios não tem definido o tempo mínimo para a duração de um lote de controle. Os demais acreditam que um período de 6 a 12 meses seja o ideal.

Como valor de referência (média e desvio-padrão), a grande maioria (76%) utiliza os dados fornecidos pelo fabricante do controle. Apenas 12% utilizam os valores obtidos pelo próprio laboratório com análise por regras de Westgard.

O resultado da pesquisa mostra que os laboratórios brasileiros ainda têm um longo caminho pela frente, mas também destaca que já estão trabalhando neste sentido. A velha prática de aliquotagem de soros para uso individual já está sendo abandonada e, aos poucos, têm sido adotados os recursos gráficos e as regras múltiplas.

O melhor a fazer é seguir o conselho de James O. Westgard, em seu artigo Best Practices for Westgarf Rules: 

Se o seu CQ estiver insatisfatório, não há o que temer. Isto significa que você tem muito a melhorar, e qualquer passo fará com que seja melhor. Provavelmente, a melhor coisa a fazer não é tentar se agarrar a todas as melhores práticas, mas tentar eliminar todas as piores práticas. E por fim, inicie devagar. Não fique empolgado em mudar tudo no laboratório de uma só vez.
O relatório gerencial

Outras edições

bq-51

Edição 51
out/nov/dez 2015
ano XII

bq-50

Edição 50
jul/ago/set 2015
ano XII

bq-49

Edição 49
abr/mai/jun 2015
ano XII

bq-48

Edição 48
jan/fev/mar 2015
ano XII

bq-47

Edição 47
out/nov/dez 2014
ano XI

bq-46

Edição 46
jul/ago/set 2014
ano XI

Assine nossa newsletter

Receba publicações relevantes sobre laboratório e soluções para 
gestão da qualidade.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, possibilitando uma navegação mais personalizada, de acordo com as características e o seu interesse. Para mais informações consulte a nossa Política de Privacidade e Segurança.

PRM 0009

Acreditação Cgcre/Inmetro - Produtor de Material de Referência Certificado

A Controllab é acreditada como Produtor de Material de Referência Certificado (MRC) desde 2016 pela Coordenação Geral de Acreditação (CGCRE), do Inmetro, sob o n.º PMR 0009. A avaliação dessa conformidade é realizada conforme os requisitos estabelecidos nas normas ABNT NBR ISO 17034 e Inmetro, garantindo assim a competência para a produção dos MRC, conforme Escopo de Acreditação.

Esta acreditação atesta a competência técnica da Controllab em produzir MRC, conforme requisitos internacionais e a habilita para ser reconhecida em outros países, conforme acordos de reconhecimento mútuo, estreitando as barreiras técnicas entre o Brasil e os outros países dos Continentes.

A Cgcre é signatária dos Acordos de Reconhecimento Mútuo da International Laboratory Accreditation Cooperation (ILAC) e da Interamerican Accreditation Cooperation (IAAC)

CAL 0214

Acreditação Cgcre/Inmetro - Laboratório de Calibração

Em dezembro de 2002, o Laboratório de Calibração foi acreditado pela Coordenação Geral de Acreditação (CGCRE) do Inmetro. Com esse reconhecimento, tornou-se parte integrante da rede brasileira de laboratórios acreditados, sob o nº214. Desde então, é avaliado periodicamente para a manutenção e/ou extensão da acreditação.

O selo do Inmetro atesta competência técnica, credibilidade e capacidade operacional da Controllab para os serviços de calibração, conforme requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025.

A Cgcre é signatária dos Acordos de Reconhecimento Mútuo da International Laboratory Accreditation Cooperation (ILAC) e da Interamerican Accreditation Cooperation (IAAC)

PEP 0003

Acreditação Cgcre/Inmetro - Provedor de Ensaio de Proficiência

Em setembro de 2011, a Controllab foi acreditada pela Coordenação Geral de Acreditação (CGCRE) do Inmetro como provedor de ensaio de proficiência, sob o nºPEP0003. Inicialmente dentro de um projeto piloto do Inmetro, esta acreditação baseou-se na ILAC G13: 2007 e incluiu diversos ensaios clínicos e de hemoterapia. Nas avaliações periódicas desta acreditação novos segmentos e ensaios são incluídos e a avaliação passa a ser conduzida segundo a ABNT NBR ISO/IEC 17043.

Esta acreditação atesta a competência técnica da Controllab em desenvolver e conduzir ensaios de proficiência conforme requisitos internacionais e a habilita reconhecida em outros países, conforme acordos de reconhecimento mútuo firmados pelo Brasil no Mercosul, Américas e Europa.

A Cgcre é signatária dos Acordos de Reconhecimento Mútuo da International Laboratory Accreditation Cooperation (ILAC) e da Interamerican Accreditation Cooperation (IAAC)